Encontre o que deseja mais rapidamente!
Digite o nutriente, alimento, doença ou assunto que deseja saber:

Tratamento da desnutrição infantil

A desnutrição infantil grave ainda é considerada um problema nos países em desenvolvimento. Crianças gravemente desnutridas geralmente chamam a atenção médica quando há uma crise de saúde, como uma infecção, que precipita a transição para um estado de déficit nutricional.

Em alguns casos, a desnutrição infantil pode ser deflagrada por rompimentos políticos como guerra ou desastres naturais como secas, o que interfere com o fornecimento de alimentos. Nesse artigo veremos qual o melhor tratamento da desnutrição infantil, que é um problema muito grave que pode levar a morte.

Diferenças nos tratamentos em países desenvolvidos e em desenvolvimento

Uma abordagem intensiva e abrangente é necessária para reduzir a taxa de mortalidade associada a esta doença e melhorar o resultado dos tratamentos.

O tratamento de crianças desnutridas de países desenvolvidos é discutido de outra maneira. Embora os princípios de tratamento de crianças desnutridas dos países desenvolvidos sejam semelhantes aos de países em desenvolvimento, os detalhes específicos podem variar de acordo com os costumes locais e recursos.

Uma abordagem diferente para a gestão da desnutrição, conhecido como cuidados baseados na comunidade terapêutica parecem produzir recuperação igual à letalidade, e para aumentar a cobertura da população, tem sido implementada com sucesso por organizações de ajuda humanitária.

Classificação da desnutrição infantil

A Organização Mundial de Saúde (OMS) desenvolveu critérios para a classificação de desnutrição grave infantil. Estes critérios são baseados no grau de déficit nutricional e no não crescimento associados à presença de edema. O peso da criança para a sua altura e a altura para sua idade são expressos como escores-Z, calculados como o valor observado menos o valor da mediana da população de referência, dividido pelo desvio padrão da população de referência.

Gestão de desnutrição aguda moderada em crianças menores de cinco anos

As crianças com desnutrição aguda sofrem da falta de nutrientes de crescimento que são necessários para construir novos tecidos. Estes nutrientes garantem o ganho de peso com auxilio, após a doença, reparando tecidos danificados e ajudando a substituir o rápido turn-over de células (intestino e células do sistema imunológico).

A reconstituição correta de nutrientes como aminoácidos essenciais (proteínas), potássio, magnésio e zinco (entre outros minerais) é essencial para a recuperação da desnutrição.

Tratamento da desnutrição infantil

O objetivo do tratamento da desnutrição em crianças é prevenir a mortalidade, reduzindo a deterioração que ocorre com a desnutrição aguda grave. A alimentação suplementar é o fornecimento adicional de alimentos essenciais. Chamam-se complementares uma vez que são dadas em adição ao alimento normal à criança como compensação as deficiências das proteínas, ativos energéticos e micronutrientes.

Alimentos complementares são fornecidos por meio de uma ração alimentar que é levada para casa dos desnutridos. Nos locais onde os programas de alimentação suplementar não estão disponíveis, outras medidas curativas podem ser postas em prática para as crianças desnutridas como programas de apoio nutricional e/ ou de prestação de alimentos fortificados.

Programas de alimentação complementar

A decisão de implementar um programa de suplementação alimentar é geralmente baseada na prevalência elevada de desnutrição aguda entre as crianças menores de cinco anos e a presença de fatores agravantes como a segurança alimentar na população pobre em geral, a epidemia da doença e a mortalidade elevada.

A justificativa para a intervenção, os objetivos, os grupos-alvo e uma estratégia de saída viável deve ser definida no início do programa. A ração para uma criança desnutrida deve proporcionar um máximo de 1000 a 1200 kcal por dia e 10-12% de energia proveniente de proteínas. Os seguintes alimentos são utilizados: Alimentos como arroz, feijão e legumes produzidos localmente devem ser à base de rações complementares.

Os alimentos fortificados ou suplementos de micronutrientes devem ser adicionados onde a dieta mínima exigida não pode ser cumprida com os recursos disponíveis. Os cereais misturados pode proporcionar 350-400 kcal por 100 gramas de alimento seco. Misturas combinadas de minerais e de vitaminas devem ser adicionadas aos cereais misturados que não estejam fortificados.

O exemplo mais comum de cereal misturado é a mistura de soja milho. Mingaus complementares (consistência de papa de aveia vista) podem ser feitos em casa através da mistura de uma parte de cereal misturado com três partes de água e cozinhando a mistura até que tenha a consistência fervida e grossa. A ração seca-alimentar consiste em cereais misturados, óleo e açúcar que não são pré-misturados. A pré-mistura de ração é quando os cereais são misturados com óleo e açúcar antes da distribuição.

Elevado nível de energia e de proteína são normalmente fornecidos apenas no início de uma emergência. Eles não devem ser dados como prioridade sobre os produtos disponíveis locais e devem ser evitados, em longo prazo. A ração seca de alimentos pode ser fornecida semanal, quinzenal ou mensalmente, dependendo dos recursos, das necessidades da população-alvo e acesso aos locais onde há crianças desnutridas.

Os alimentos devem ser distribuídos em peso por meio de balança ou recipientes calibrados e, sempre que possível, devem ser transportados para casa por mães em seus próprios recipientes. Os cuidadores devem trazer a sua criança internada para vigilância através de pesagem, circunferência braquial de triagem, verificação de edema e avaliação do padrão de sinais clínicos.

Por Salete Dias