Encontre o que deseja mais rapidamente!
Digite o nutriente, alimento, doença ou assunto que deseja saber:

Olá, como vai o seu intestino?

Você já percebeu quão importantes são os papéis dos intestinos delgado e grosso em nosso organismo, mais especificamente em nossa digestão?

É neles que o organismo tentará absorver todas as substâncias que não foram absorvidas anteriormente (geralmente substâncias de moléculas grandes, como proteínas e gorduras, por exemplo) bem como reabsorver a água e outros nutrientes utilizados no processo digestivo. E isso sem falar da função excretora que o intestino grosso possui.

Fatores para o bom funcionamento

Segundo Dutra-de-Oliveira e Marchini, há três tipos de fatores que podem influenciar na inibição ou estimulação da absorção:

  • Fatores intraluminais – referem-se à forma como os alimentos (nutrientes) chegam até o intestino para a sua absorção. O ácido gástrico, por exemplo, que umedece o bolo alimentar, aumenta a solubilidade do ferro contida no mesmo, estimulando assim a absorção;
  • Fatores relacionados à mucosa – aqui eles se referem às alterações que a mucosa pode sofrer sob certas condições, o que pode estimular ou inibir a absorção. Um exemplo disso são as alterações que as vilosidades existentes no intestino podem impactar diretamente em seu poder de absorção. Uma pessoa com subnutrição, por exemplo, perde muitas das vilosidades e microvilosidades presentes na mucosa do intestino, o que dificulta ainha mais a absorção dos alimentos;
  • Fatores corporais – geralmente ligados à quantidade de cada nutriente armazenado no corpo bem como os níveis de necessidade do organismo. Em outras palavras – se seu corpo possui grande quantidade de um determinado nutriente armazenado, provavelmente seu intestino não absorverá o excesso.

Nutrientes estimulantes e inibidores

Diversos nutrientes possuem papel de estimulador ou inibidor, participando assim como fatores intraluminais, como vimos anteriormente.

Dentre os estimulantes podemos citar a vitamina C (favorece a absorção do ferro), a proteína e o aminoácido cisteína (favorece a absorção de cálcio).

Já quanto a inibidores, a presença de fibras na alimentação inibe a absorção e reduz o tempo de trânsito intestinal.

E por que não se pode praticar exercícios após as refeições?

Esta é realmente uma excelente pergunta e agora vamos apresentar-lhes dois excelentes motivos.

O primeiro deles é o desconforto, pois os alimentos encontrar-se-ão em boa parte no estômago e na primeira parte do intestino delgado. Sabe aquela sensação de “estômago cheio” que você sente quando tenta correr logo após comer uma farta refeição? Então, você estará fortemente sujeito a esse tipo de problema.

O segundo é quanto ao fato de que, durante a etapa da digestão no intestino, cerca de um litro sangue (o que representa um quinto do sangue de nosso corpo) de nosso sangue vai para a região intestinal a fim de facilitar a absorção e transporte de nutrientes. Caso você pratique algum esporte ou atividade física neste momento, é muito provável que outras partes de seu corpo (como seus músculos, pulmões, etc.) entrei em competição com o intestino a fim de serem mais atendidos pelo sistema circulatório, prejudicando assim a digestão.

E quanto aos gases intestinais?

A formação de gases na região intestinal é normal e provém da fermentação de alguns nutrientes. Um adulto normal pode produzir de meio litro a um litro e meio de gases por dia.

Entretanto, se sentir que a produção de gases está acima da normal e incomodando-o (a), lembre-se de que alguns alimentos podem aumentar a produção de gases, como é o caso do repolho, da lentilha e de alimentos muito fibrosos.

Além disso, parte dos gases pode ser causada pela deglutição de ar, que ocorre quando mastigamos muito rapidamente. Sendo assim, mastigar de forma lenta e compassada ajuda não somente a melhorar a digestão como também a reduzir a incidência de gases.

Recomendações para quem sofre de constipação

Se você tem problemas de constipação (a famosa prisão de ventre), é melhor que você inclua muitos alimentos ricos em fibras. E é bom lembrar que nem todos os alimentos de origem vegetal são indicados aqui – a banana e a maçã, por exemplo, são responsáveis por aumentar o bolo fecal, dificultando ainda mais.

Além disso, manter uma boa hidratação ajudará, ok?

Ah, e não esquecer, claro, que atualmente temos produtos no mercado muito bem reconhecidos e que realmente fazem bom efeito no organismo no controle do “horário do intestino”.

Experimentamos o Activia e o Nesvita e podemos afirmar que ambos conseguem realmente realizar sua missão. Desculpem-nos a “meia propaganda”, mas já que nosso objetivo aqui é informar e quem possui o problema não quer perder tempo adquirindo um produto errado, era necessário mencionar nomes, não?

Referências Bibliográficas

CIÊNCIAS NUTRICIONAIS, J. E. Dutra-de-Oliveira e J. Sérgio Marchini

DRAUZIO VARELLA, Dieta ideal para o bom funcionamento do intestino

MEDICINA GERIÁTRICA, Melhorando o funcionamento do intestino