Encontre o que deseja mais rapidamente!
Digite o nutriente, alimento, doença ou assunto que deseja saber:

Dores de cabeça e desidratação

Já falamos anteriormente aqui sobre a desidratação, inclusive citando as dores de cabeça como um de seus possíveis sintomas ou consequências. Hoje, estava pesquisando um pouco a respeito da opinião de profissionais fora da área de Nutrição tratando sobre esse assunto e encontrei no website About.com na seção sobre Nutrição um artigo do Dr. Lehman falando sobre o assunto.

Dr. Lehman é professor de Ortopedia e Neurologia na University of BridgePort College e também possui seu consultório médico, onde atende a muitos pacientes com problemas como dores de cabeça. Bem, não é possível determinar qual o percentual de seus pacientes apresentam-se desidratados, uma vez que a mesma pode ocorrer em diversos estágios, dos mais leves aos mais severos, mas ficou bem claro que muitos deles apresentam dificuldades para consumir água em quantidade suficiente para o seu corpo diariamente.

Mas, o que leva uma pessoa a não beber água suficiente? Há várias razões (ou melhor dizendo, “desculpas”), sendo a mais comum o simples esquecimento ou falta de tempo. Convenhamos, quantos de nós, mesmo estando em casa, não se esquecem de beber um copo de água periodicamente? Alguns podem até alegar que não sabem a quantidade exata de água que devem beber por dia, mas isso não é algo tão difícil assim de se descobrir: a quantidade de água a ser ingerida é diretamente proporcional à sua massa corporal. Um adulto de estatura média deve beber, em média, 12 copos de água por dia – enfim, se ele ficar acordado das 07:00 às 19:00, significa que precisa beber um copo de água a cada hora.

Muitos até mesmo ignoram os perigos que há por trás da desidratação: em seu estágio inicial, ela causa rachaduras nos lábios, pele ressecada, tonturas, dores de cabeça e boca/língua seca, já em seu estágio mais avançado, pode levar a problemas nos rins, como cálculos renais ou até mesmo insuficiência renal crônica!

A relação entre dores de cabeça e desidratação pode ser percebida principalmente em locais ou épocas do ano mais quentes, onde, quando não consumimos água em quantidade suficiente, logo começamos a sentirmo-nos mais cansados e sem disposição para as atividades e, não demora muito, começamos a sentir dores de cabeça, que podem ser confundidas com dores tensionais, geralmente causadas por estresse – mas, nesse caso, sabemos bem que a razão é outra.

Por sorte, o nosso próprio corpo começa a alertar-nos com tais sinais bem no início da desidratação, de tal forma que podemos rapidamente nos recuperar, mas “é melhor prevenir do que remediar”, então tome sempre algumas medidas preventivas:

  • Consuma água em quantidade suficiente para o seu organismo. Há “calculadoras para hidratação” na web que podem ajudá-lo a determinar a quantidade certa de água para você;
  • Evite exposição prolongada aos raios solares, que além de provocarem queimaduras na pele podem acelerar o processo de desidratação do corpo;
  • E se for praticar esportes ou exercícios físicos intensivos, lembrar de ingerir ainda mais água, para compensar aquela que será perdida por meio do suor.

Não deixe que as dores de cabeça e a desidratação tornem o seu dia num inferno. Cuide melhor de seu corpo e tenha uma vida muito mais saudável!