Encontre o que deseja mais rapidamente!
Digite o nutriente, alimento, doença ou assunto que deseja saber:

Como reduzir os níveis de homocisteína

Aminoácido produzido naturalmente pelo corpo humano, a homocisteína pode se tornar prejudicial ao organismo das pessoas se seus níveis aumentarem, provocando complicações cardiovasculares. No entanto, se a pessoa tiver uma dieta adequada à base de verduras e vegetais ou fizer uma suplementação alimentar de acordo com prescrição médica poderá ter a redução desses altos níveis. Vamos conhecer agora como podemos reduzir de maneira efetiva os níveis de homocisteína no corpo dos seres humanos.

Causa do aumento da homocisteína

Segundo especialistas na área médica quando há um aumento no nível da homocisteína na corrente sanguínea, os revestimentos das artérias do corpo podem ficar danificados, além de promover o aparecimento de coágulos, que são muito perigosos, pois podem bloquear o fluxo dos vasos sanguíneos.

Quando esse coágulo circula nos vasos, na corrente sanguínea é chamado de trombo, que traz riscos à saúde das pessoas, pois caso se alojem nos pulmões, o indivíduo terá um quadro clinico de embolia pulmonar, se ficar preso no cérebro humano, pode provocar um AVC (acidente vascular cerebral) no indivíduo, e se chegar até o coração a pessoa pode vir a sofrer um ataque cardíaco. Dessa forma se conclui, que um nível muito alto de homocisteína é um grande risco, pois pode desencadear uma enfermidade nas artérias coronárias do indivíduo.

O corpo humano geralmente utiliza outros aminoácidos que foram transformados a partir da homocisteína, por isso quando há um aumento no nível de homocisteína, o organismo da pessoa provavelmente não está sendo abastecido de maneira adequada com as vitaminas do complexo B. Já foi comprovado cientificamente que quando o individuo apresenta os níveis de homocisteína aumentados, não ingerem em suas refeições diárias quantidades suficientes das vitaminas do complexo B (Vitamina B12 e Vitamina B6), além de ácido fólico ou folato.

Outras causas prováveis do aumento da homocisteína apontada pelos especialistas foram o surgimento de enfermidades como psoríase, insuficiência renal, índices reduzidos do hormônio da glândula tireoide, a ingestão de determinados fármacos e provavelmente algum aspecto hereditário.

Dieta alimentar para redução da homocisteína

Reduzir uma taxa alta de homocisteína na corrente sanguínea, pode ser de certa maneira fácil, se os indivíduos tiverem uma dieta nutricional adequada para promover a diminuição dos níveis. Segundo especialistas, quando a pessoa tem uma alimentação rica em verduras e frutas, esse comportamento alimentar pode trazer além dos benefícios que todos já conhecem uma redução significativa no nível de homocisteína.

Alimentos como cereais e grãos de uma maneira geral, espinafre, feijão, aspargo e lentilha que são fontes de ácido fólico ou folato são essenciais para reduzir os níveis da homocisteína. Em alguns casos quando somente a mudança dos hábitos alimentares não é suficiente para solucionar o problema, é necessário que a pessoa tenha uma consulta com um especialista para que sejam prescritos suplementos alimentares que contenham além do ácido fólico, as vitaminas do complexo B, vitamina B6 e vitamina B12.

Considerações finais

Para a pessoa saber se seu nível de homocisteína esta aumentado, basta que seja realizado nela um exame de sangue dos mais simples, pois ele conseguirá detectar se houve aumento nos níveis de homocisteína. Se o resultado desse exame comprovar que a homocisteína está alta é necessário que ela seja reduzida para que o indivíduo não venha a sofrer com problemas cardiovasculares, principalmente se ele já apresenta uma predisposição para esse tipo de complicação. Alguns fatores como a deficiência de ácido fólico e das vitaminas B6 e B12, além de fatores ligados à genética dos seres humanos podem causar a elevação dos níveis de homocisteína.

Com a mudança de comportamento alimentar e a adoção de uma dieta rica em alimentos que contenham esses nutrientes os indivíduos passam a reduzir os altos níveis. Porém somente quando a alimentação não soluciona o problema é necessário uma suplementação alimentar prescrita por um especialista. Alguns pesquisadores tentaram fazer uma correlação entre a diminuição dos níveis de homocisteína com a redução de ataques do coração e acidentes vasculares cerebrais nos indivíduos.

No entanto, até o presente momento ainda não há um estudo cientifico conclusivo sobre esse tema. A orientação dos especialistas é preventiva, pois se o nível da homocisteína estiver baixo a probabilidade de haver uma redução nos riscos de enfermidades coronarianas. Como recomendações gerais algumas medidas como, por exemplo, a prática de atividades físicas e não ser fumante são fatores que sempre contribuem para a manutenção de uma boa saúde, principalmente do coração.

Por Salete Dias