Encontre o que deseja mais rapidamente!
Digite o nutriente, alimento, doença ou assunto que deseja saber:

Transtorno Alimentar Infantil

Qual a mãe que ao verificar que seu filho não consegue se alimentar adequadamente não fica preocupada? O transtorno alimentar infantil como o próprio nome já diz, é um problema que afeta algumas crianças desde a fase da amamentação.

Definição do Transtorno

De acordo com o critério DSM.IV o transtorno alimentar pode ser definido como um déficit persistente na maneira adequada da criança mamar ou se alimentar,  e tem como resultado uma perda ou uma dificuldade em ganhar peso que permanece pelo menos por 30 dias.

As crianças com transtornos alimentares geralmente demonstram um temperamento difícil de controlar  são irritáveis e choram com frequência, ou em outros momentos elas podem demonstrar retraimento ou apatia, e em alguns casos atraso em seu desenvolvimento natural.

De acordo com especialistas quando ocorre esse distúrbio logo na primeira infância, pode ser que esteja coexistindo com o transtorno alimentar dificuldades de relacionamentos entre a criança e os pais caracterizada por uma reação de agressividade por parte deles sempre que ela se recusa a comer.

Entendendo a Recusa ao Alimento

No período da infância os transtornos alimentares iniciais podem surgir logo na fase da amamentação, através da recusa do leite materno ou da mamadeira. Inicialmente alguns bebês apresentam somente passividade diante da alimentação não realizando os movimentos de sucção que são necessários para o aleitamento, e após algum tempo eles se negam literalmente a se alimentarem.

Segundo especialistas os motivos dessa recusa podem ser fisiológicas, devido ao fluxo de leite mais lento ou a um reflexo de sucção mais devagar por parte da criança, por exemplo. Ou ainda podem ocorrer causas de ordem emocional  no bebê devido a uma  reação negativa à ansiedade que a mãe apresenta,ou  ainda na fase do desmame quando a criança pode apresentar além da recusa pelo alimento, manifestações de agitação, choro ou vômitos.

Por isso, os profissionais orientam às mulheres que o desmame do seio materno ocorra de maneira gradual.

Principais Transtornos Alimentares na Infância

Os especialistas informam que dentre os mais frequentes transtornos alimentares da infância estão:

Regurgitação – A Regurgitação ou ruminação é o retorno em espasmos do alimento que foi consumido. É na realidade uma dificuldade grave  no processo da alimentação que se inicia a partir dos três meses de vida até os seis meses, mas que pode perdurar por muito tempo. Na regurgitação a comida é digerida somente de maneira parcial sendo ejetada pela boca da criança, ou ainda é mastigada e engolida novamente por ela, que é uma forma mais comum do problema e consiste na re-mastigação dos alimentos ingeridos.

Normalmente, as crianças com esses transtornos costumam se posicionarem de maneira característica tencionando e arqueando as costas com a cabeça para trás e projetando sua mandíbula fazendo movimentos de sucção com sua língua. Quando o problema de regurgitação se normaliza, a criança começa a ganhar peso, e se isso não ocorrer pode ser que haja um déficit no seu crescimento surgindo uma grave distrofia, desnutrição ou desidratação.

Vômitos – A principal característica que diferencia o vômito da regurgitação é que no segundo há o aspecto voluntário, e no caso dos vômitos ele acontece sem a intenção da criança, pois a força e o jato da comida é expelida pela boca do bebê em virtude de contrações bastante fortes da musculatura do seu abdômen em decorrência de uma variedade de motivos. Entre as causas mais frequentes estão a alimentação excessiva que é dada ao bebês, ou a voracidade com que alguns deles ingerem o alimento, ou ainda por causa da aerofagia que é a ingestão de ar em conjunto com o leite na hora da amamentação.

De acordo com alguns profissionais especializados em psicologia, os vômitos também podem ser uma resposta aos problemas emocionais que a criança esteja enfrentando e pode representar um medo de perder a mãe ou uma tentativa de chamar a atenção para si.

Doenças Metabólicas Hereditárias

As doenças metabólicas de origem hereditária são um grupo de diversos distúrbios metabólicos e na grande maioria associadas à herança autossômica recessiva, que envolvem normalmente  as estruturas do metabolismo envolvidas na degradação de ácidos graxos, carboidratos e aminoácidos.

Essas patologias apresentam como principal característica o armazenamento dos ácidos orgânicos e seus derivados como urina, sangue além de outras substâncias líquidas encontradas no corpo humano. As formas mais graves dessas doenças são as denominadas de PA e MMA, onde os bebês apresentam como principais manifestações clínicas: Letargia, hipotonia, vômitos, recusa alimentar, convulsões e em casos mais graves podem entrar em estado de coma.

Por isso os especialistas recomendam que em qualquer caso de recusa alimentar infantil, os pais procurem imediatamente um médico pois seus filhos podem estar sofrendo de um transtorno alimentar que pode evoluir para um caso mais grave no futuro.

Por Salete Dias