Encontre o que deseja mais rapidamente!
Digite o nutriente, alimento, doença ou assunto que deseja saber:

Diferença entre hipotireoidismo e hipertireoidismo

Apesar do nome ser parecido e remeter a algum problema existente na glândula tireoide no organismo humano, existe diferença entre a pessoa ser portadora de hipotireoidismo ou ser diagnosticada com hipertireoidismo. Apesar das duas disfunções estarem relacionadas com a tireoide e ambas poderem provocar no paciente mudanças de peso corporal e alterações  de humor, há pontos incomuns entre ambas que merecem ser esclarecidos. É o que veremos a seguir:

Entendendo o que é hipotireoidismo

A glândula tireoide é muito importante para o organismo humano, por isso quando ocorre nela algum tipo de disfunção, surgem alterações hormonais. Esta glândula é responsável pela produção de dois hormônios Tiroxina(T4) e Triidotironina(T3) que são importantes para as  funções de controle do peso no corpo dos seres humanos, além da manutenção das atividades normais dos órgãos vitais par o organismo, interfere no sistema intestinal, no ciclo menstrual das mulheres, na força dos músculos corporais e até  no raciocínio humano.
Quando a tireoide produz estes hormônios em uma quantidade insuficiente para aquele corpo, diz-se que o indivíduo é portador de hipotireoidismo. Quando a pessoa apresenta este déficit costuma apresentar um metabolismo mais lento, ocasionando dificuldade de perda de peso e o organismo começa trabalhar com menos energia, dando ao indivíduo uma sensação frequente de cansaço, dificuldade de concentração, unhas quebradiças e os músculos corporais apresentando uma maior sensibilidade, além de desânimo e câimbras, ressecamento da pele, sensibilidade muito grande ao frio,queda dos fios capilares e aumento de peso ( sem uma mudança de hábito alimentar que justifique esse aumento). Segundo especialistas o hipotireoidismo é mais comum em pessoas do sexo feminino.

Entendendo o hipertireoidismo

No hipertireoidismo há o processo inverso, ou seja, há um aumento exagerado da produção de hormônios em virtude da tireoide que está com sua função aumentada. Em virtude desse fato os sintomas são os opostos ao que ocorre no hipotireoidismo.
Segundo os especialistas os principais sintomas do hipertireoidismo são : dificuldade em dormir, perda de peso sem um motivo aparente para tal, taquicardia, desarranjo do trato intestinal, suor excessivo e perda de apetite.

Segundo estudos científicos, as pessoas do sexo feminino são menos acometidas pelo hipertireoidismo numa proporção de apenas três por cento. Segundo profissionais da área, quando o hipertireoidismo esta em seu estágio inicial apresenta somente sintomas como um certo incomodo e fraqueza. De acordo com pesquisas realizadas sobre o tema a causa mais conhecida até o momento para o desenvolvimento do hipertireoidismo é a doença de Graves que é uma enfermidade autoimune onde o organismo através de seus anticorpos ataca seus próprios órgãos .

Outras razões para o surgimento do hipertireoidismo seriam: tumores nas glândulas  tireoide e pituitárias, inflamação na tireoide por infecções virais ou não, tumores nos ovários e testículos, ingestão exagerada do hormônio da tireoide ou de iodo. Outros sintomas do hipertireoidismo apontado pelos especialistas são: sede excessiva, aumento do lacrimejamento, bócio, vermelhidão na pele, náuseas, vômitos, diarreia, tremor nas mãos, dores ósseas, aumento da pressão arterial, exoftalmia(protusão dos olhos).

Alguns cuidados com a alimentação

Segundo profissionais da área de nutrição e nutrologia a alimentação pode servir como uma forte aliada no controle, prevenção ou combate tanto ao hipotireoidismo com ao hipertireoidismo. De acordo com os especialistas existem dois minerais que não devem faltar na alimentação dos seres humanos, pois são fontes para a síntese dos hormônios da glândula da tireóide, são eles: o selênio e o iodo. Quando por qualquer razão há um deficit destes minerais no organismo humano ocorre um comprometimento da função da tiroide, promovendo sua disfunção.

O iodo pode ser encontrado nos frutos do mar e nas algas comestíveis  que podem ser misturadas com as  saladas. Já o selênio pode ser encontrado nas nozes, cogumelos, grãos integrais e na castanha-do-pará. Em contrapartida, se a pessoa não possui bons hábitos alimentares  e costuma comer frequentemente alimentos com excesso de açúcar, sal, gorduras, alimentos industrializados ou refinados estarão com certeza afetando a produção normal do hormônio da tireoide.

Os profissionais sugerem que uma boa orientação para proteger a disfunção nesta glândula é se alimentar corretamente sempre no café da manhã, pois quando a pessoa acorda há uma elevação natural do hormônio cortisol que é uma substância que pode afetar a tireóide, por isso ingerir carboidratos de preferência integrais nesta refeição, é uma maneira de manter o cortisol sob controle no organismo humano.

Vale ressaltar que tanto no caso do hipotireoidismo quanto no caso do hipertireoidismo, o médico especializado em endocrinologia é quem deverá tratar o paciente.

Por Salete Dias