Nutrição em Foco

Porque sua saúde vem em primeiro lugar!

Nutrição em Foco Alimentos Benefícios dos alimentos fermentados e probióticos na saúde

Benefícios dos alimentos fermentados e probióticos na saúde

Hoje em dia a maioria dos alimentos são pasteurizados e os produtores de alimentos ficam orgulhosos de mencionar, no rótulo – alimento com “baixo teor de gordura”. Além disso, existem diversos sabonetes antibacterianos que estão disponíveis para eliminar germes que possam causar doenças ao organismo. Entretanto, alguns microrganismos podem ser benéficos à saúde humana.

E se a pessoa considerar o ambiente em que vivem os seres humanos, diversos microrganismos fizeram parte da evolução e adaptação. Portanto, talvez um pouco de bactérias no corpo, seja um componente vital para uma vida saudável. Nesse artigo abordaremos como isso pode ser possível e quais os benefícios dos alimentos fermentados e probióticos na saúde dos seres humanos.

Benefícios dos alimentos fermentados

Na maioria dos povos pós-agrícolas algum tipo de alimento fermentado era um componente padronizado da dieta tradicional. O primeiro sinal de datas de vinho de cerca de 8000 anos atrás, comprovam evidências de que as pessoas estavam fermentando bebidas na Babilônia, no Egito, México e Sudão.

O pão fermentado foi produzido no Egito Antigo e o leite fermentado foi na Babilônia desde cedo também. Os soldados romanos muitas vezes subsistiam às longas caminhadas fermentando pão. Mas exatamente, quais são os benefícios para saúde ao consumir alimentos fermentados? Por um lado, a fermentação pode resultar em alimentos não comestíveis ou até mesmo perigosos para a dieta alimentar e pouco nutritivos.

As lectinas, glúten e fitatos em grãos, por exemplo, podem ser muito reduzidos pela fermentação. Os laticínios também são outros beneficiários da fermentação. O processo de fermentação decompõe a lactose que é um açúcar e diminui o conteúdo de carboidratos.

Falando em vitamina K2, a fermentação também a torna disponível em alguns alimentos, como por exemplo: o queijo de leite cru tem amplas quantidades de K2, assim como fígados bovinos alimentados com capim e manteiga crua. Tudo se resume a uma fermentação interna: a vaca come os alimentos verdes ricos em K1, a fermentação intestinal produz o K2 e nós temos o K2 ao consumir o fígado ou certos tipos de gordura dos produtos lácteos fabricados a partir de leite de vaca.

Os benefícios dos alimentos fermentados não são decorrentes de alguma propriedade inerente ao alimento fermentado, mas ao simples fato de que a introdução de bactérias benéficas para o nosso corpo, restabelece o equilíbrio da flora intestinal, dessa forma auxiliam pessoas que apresentam dificuldades em manter o bom funcionamento intestinal.

Alimentos fermentados não apenas resolveram um grave déficit no intestino. Eles introduziram algo de novo para a fisiologia humana. Pois apesar dos melhores esforços para recriar ambientes perfeitos através de dieta e exercício físico, ainda vivemos em um mundo cada vez mais estéril. Consumir alimentos fermentados em nossa dieta, pode ajudar a normalizar nosso organismo e ter nosso aparelho digestivo em boa forma.

O que são probióticos?

Eles pretendem ajudar os problemas de saúde, que vão desde a constipação a diarreia, prevenindo-os e combatendo-os, uma vez que a pessoa já sofra dessas complicações. Os probióticos estão presentes em alguns alimentos, bebidas e suplementos. O que exatamente são eles?

Nosso sistema digestivo normalmente tem o que chamaríamos de “boas” bactérias e “más” bactérias. Manter o equilíbrio correto entre as bactérias “boas” e as “más”, faz-se necessário para uma boa saúde.  Medicamentos, qualidade da dieta, doenças e o próprio meio ambiente podem perturbar esse equilíbrio. O corpo é capaz de lidar com isso por conta própria, ao incluirmos os probióticos na dieta.

Os probióticos protegem o organismo de duas formas. O primeiro é o papel que eles desempenham no nosso aparelho digestivo. Sabemos que o nosso aparelho digestivo precisa de um equilíbrio saudável entre as bactérias boas e ruins, então o que fica no caminho desta? Parece que o nosso estilo de vida é tanto o problema e a solução. Escolhas alimentares pobres, estresse emocional, falta de sono, uso excessivo de antibióticos e influências ambientais podem mudar a balança a favor das bactérias ruins.

Quando o aparelho digestivo é saudável, ele filtra e elimina coisas que podem danificá-lo, tais como bactérias, toxinas, produtos químicos e outros produtos residuais. Por outro lado, leva as coisas que nosso corpo precisa (os nutrientes dos alimentos e da água) e absorve e ajuda a entregá-los para as células onde eles são necessários.

A ideia não é para matar todas as bactérias ruins, pois nosso corpo necessita de ambas. O problema é quando o equilíbrio é deslocado para ser mais ruim do que bom.

A outra contribuição benéfica dos probióticos é o impacto que eles têm sobre o nosso sistema imunológico. Alguns acreditam que este papel é o mais importante. Nosso sistema imunológico é a nossa proteção contra germes. Quando não funciona corretamente, ele pode sofrer de reações alérgicas, doenças autoimunes e infecções.

Os produtos probióticos contêm bactérias e/ou fungos que ajudam na restauração do equilíbrio em nosso intestino. Até os anos 1960, foi possível identificar na microflora intestinal, microrganismos como clostrídios, os lactobacilos, enterococos e Escherichia coli. Existem vários tipos diferentes de probióticos e seus benefícios à saúde são determinados pelo trabalho que eles fazem em seu intestino e sistema imunológico.

Por Salete Dias

TopBack to Top