Encontre o que deseja mais rapidamente!
Digite o nutriente, alimento, doença ou assunto que deseja saber:

Alimentos transgênicos

Ainda pouco conhecidos da grande maioria da  população, notadamente as pessoas com menor poder aquisitivo, os alimentos transgênicos podem ser definidos como todo aquele que apresenta  algum tipo de modificação em seu DNA. Através de técnicas específicas fragmentos de DNA de fungos, vírus ou bactérias são implantados no DNA destes alimentos, com o objetivo principal de aumentar a produção, combater às pragas que atacam as plantações e melhorar a qualidade da alimentação dos consumidores.

Por que os alimentos transgênicos foram criados

Depois de vários anos de estudos científicos, no fim da década de setenta, os pesquisadores chegaram a conclusão de que poderiam, através da alteração genética  do DNA das plantas, criarem alimentos geneticamente modificados que seriam resistentes às pragas e consequentemente poderia haver um aumento na produção elevando os lucros adquiridos com as plantações.

Desse modo desenvolveram algumas técnicas específicas onde partículas de DNA de vírus, fungos ou determinadas bactérias foram implantadas no DNA dos vegetais. Estas pequenas partículas ou fragmentos tinham em sua constituição genes que conseguiam codificar os produtos químicos utilizados para controlar ou destruir as pragas que atacam as plantações (herbicidas), e quando estes pesticidas são aplicados nos vegetais, eles produzem substâncias tóxicas que apresentam a capacidade de combater as ervas daninhas que os atacam, não necessitando desse modo, da utilização de determinados tipos de agrotóxicos.

Mas nem todos os vegetais tem o gene modificado com esta finalidade. Algumas plantas são geneticamente alterados para que obtenham uma melhor quantidade de nutrientes em sua constituição, aumentando seu valor nutricional. Um exemplo clássico é o cultivo do arroz, que por ser um alimento consumido em quase o mundo todo, quando é transgênico fica rico em uma substância conhecida como betacaroteno que é um precursor da vitamina A que auxilia no combate às enfermidades que são originadas através do déficit desta vitamina. Outra finalidade da criação de alimentos transgênicos é para que eles se tornem fortes o suficiente para resistirem se forem atacados por alguns fungos ou vírus que possam causar  sua destruição. Um exemplo destes alimentos são a banana, o feijão, a batata e o mamão, entre outros.

Há ainda a utilização de modificação genética dos alimentos para que haja um estímulo a sua produção e o aumento de tamanho dos vegetais que sofreram a alteração no DNA. Outra razão para que os alimentos transgênicos sejam criados é promover um aumento no período de seu amadurecimento, o que resulta em alimentos que resistem muito mais tempo depois de suas colheitas.

Aspectos positivos e negativos dos alimentos transgênicos

Segundo especialistas na área de nutrição humana, os alimentos transgênicos apresentam tanto aspectos positivos quanto negativos que devem ser analisados, antes que os consumidores possam optar pelo seu consumo. Em relação aos pontos positivos na aquisição de alimentos geneticamente modificados  é possível ressaltar entre outros: uma resistência aumentada ao ataque de ervas daninhas como os fungos, bactérias, vírus e algumas espécies de  inseto; aumento na produtividade gerando maior lucro ao produtor; melhora no valor nutricional dos alimentos; aumento na resistência aos herbicidas e um maior tempo de duração após a colheita.

Como principais aspectos negativos na produção e  consumo de alimentos transgênicos podem ser destacados: a possibilidade de haver algum tipo de reação alérgica à modificação genética em alguns consumidores; há um a probabilidade de determinadas espécies de insetos e algumas plantas serem eliminadas junto com a aplicação da técnica de modificação de DNA; os vegetais que não foram geneticamente  modificados tendem a apresentar uma maior seleção natural. Outro aspecto que merece atenção é a questão da segurança  no consumo dos alimentos transgênicos.

De acordo com especialistas na área, a maioria dos alimentos transgênicos são analisados após seu cultivo pela Empresa Brasileira de Agropecuária (EMBRAPA), porém ainda não há uma autorização das autoridades competentes para que estes alimentos sejam comercializados em virtude das reações alérgicas que podem surgir em alguns consumidores, além do impacto no meio ambiente  que foi observado por alguns ambientalistas. Outro problema observado é a questão da informação sobre o alimento que deve estar contida no rótulo da embalagem.

Foi observado pelas autoridades responsáveis que alguns produtos transgênicos não continham as informações nutricionais básicas para os consumidores e principalmente qual a  técnica que tinha sido utilizada para obter o gene modificado. Países como Argentina, Estados Unidos e alguns países europeus cultivam alimentos transgênicos, sendo que os principais são: soja, algodão, tomate, batata, milho, entre outros.

Por Salete Dias